Após a escuridão vem a luz – WZO

Após a escuridão vem a luz

Boa tarde! Meu nome é Marina Rosenberg-Korytnaya. Sou chefe do Departamento de Apoio à Repatriação da Organização Sionista Mundial. Muito obrigada por terem vindo. No meu trabalho, preciso encontrar e falar diante de diferentes pessoas, mas nenhum público é tão significativo para mim quanto o encontro com judeus que vivem no exterior e vêm para […]

Boa tarde! Meu nome é Marina Rosenberg-Korytnaya. Sou chefe do Departamento de Apoio à Repatriação da Organização Sionista Mundial. Muito obrigada por terem vindo.

No meu trabalho, preciso encontrar e falar diante de diferentes pessoas, mas nenhum público é tão significativo para mim quanto o encontro com judeus que vivem no exterior e vêm para aprender mais sobre Israel. E estou orgulhosa de ter sido convidada para falar com vocês!

Infelizmente, nosso encontro ocorre em um momento difícil. Os eventos de 7 de outubro mergulharam o mundo na escuridão. Eu estava naqueles kibutzim queimados. É impossível transmitir em palavras o que vi lá. É importante entender que entre os moradores desses kibutzim, muitos acreditavam na coexistência pacífica, convidavam residentes de Gaza para trabalhar, ajudavam-nos e a seus familiares a receber tratamento em hospitais israelenses. E esses mesmos palestinos pacíficos, que trabalhavam para eles, visitavam suas casas, aceitavam presentes, no dia 7 de outubro vieram para matar, estuprar, fazer reféns, incluindo bebês e idosos, junto com outros terroristas.

Há dois meses, nosso país está travando uma guerra intransigente com o HAMAS, que transformou a Faixa de Gaza em um grande acampamento terrorista. E todo esse tempo, Israel tem sido submetido a uma pressão sem precedentes da ONU, governos e organizações internacionais, exigindo que deixemos os assassinos impunes. Estamos testemunhando um aumento do antissemitismo em universidades nos EUA e em muitos países europeus. Hoje, músicos famosos, atores e professores universitários se levantam como defensores do HAMAS.

O que isso nos diz? Diz-nos que o antissemitismo não desapareceu. Apenas foi contido por tabus culturais e normas de decência. Os eventos de 7 de outubro o liberaram, e para nós, o que está acontecendo tornou-se mais um lembrete de que a violência e o ódio têm sido parte da condição judaica por muitos séculos.

Nestes dias, o mundo judeu celebra Hanukkah. Hanukkah para a maioria dos judeus modernos sempre foi uma festa alegre de autoafirmação e orgulho de pertencer ao seu povo.

Mas este ano, a festa é ofuscada pelos terríveis eventos de 7 de outubro, privando muitos de paz e sensação de alegria. Celebrar Hanukkah este ano não pode ser separado da guerra e do aumento do antissemitismo.

Hanukkah é celebrado em honra à vitória dos antigos guerreiros judeus e ao milagre divino que permitiu que uma gota de óleo queimasse na menorá do templo libertado por todos os 8 dias. Por isso, Hanukkah é chamado de festival das luzes, o festival da libertação.

Aceitando a dor e a perda, acreditamos que Israel vencerá e o povo judeu se manterá firme. Hoje, mais do que nunca, a Aliyah é importante – é a base para o futuro de Israel e a segurança dos judeus.

Se no passado o povo judeu precisava de seu próprio estado, hoje o estado judeu precisa de seu povo!

A Lei do Retorno não é apenas a base do sionismo, mas também uma expressão do nosso direito histórico a Eretz Israel.

A Lei do Retorno reconhece o direito à repatriação de judeus e seus cônjuges, filhos e netos. Cerca de vinte e quatro milhões de pessoas podem aproveitar esse direito.

Esta Feira de Aliyah permitirá que vocês aprendam mais sobre Israel, talvez deem mais um passo em direção a ele. Lembrem-se, consideramos todos vocês israelenses, apenas vivendo em um endereço diferente por enquanto.

Mais uma vez, parabenizo a todos por Hanukkah, nossa festa comum, e lembrem-se de que após a escuridão vem a luz!

13 Dez 2023
3 min read
253
Notícias

Ler mais

Pessach: a Festa da Liberdade e União

Pessach: a Festa da Liberdade e União

Pessach é a principal festividade judaica.
Projeto Novo: Ano nishar – Eu Fico

Projeto Novo: Ano nishar – Eu Fico

Na quinta feira 16 de novembro lançamos o projeto “Ani Nishar”.
Ivrit Lab: Uma tarde no Museu

Ivrit Lab: Uma tarde no Museu

No domingo 6/8/23 realizamos mais uma atividade presencial do projeto Ivrit Lab.