Inapto para o serviço profissional – WZO

Inapto para o serviço profissional

Além da declaração escandalosa de que o ataque terrorista do HAMAS em 7 de outubro "não aconteceu num vácuo", o atual Secretário-Geral da ONU, António Guterres, acrescentou algo novo. Ele disse que, desde que assumiu o cargo em 2017, não testemunhou conflitos com tantas vítimas civis quanto na Faixa de Gaza.

UN Secretary-General Antonio Guterres - palinchak /depositphotos.com

Ao longo da história do conflito no Oriente Médio, as Nações Unidas têm sido caracterizadas por uma postura anti-Israelense. Na Assembleia Geral da ONU, uma maioria estável de países formou-se há muito tempo, que ano após ano apresenta e apoia acusações exclusivamente contra Israel, sem atribuir qualquer responsabilidade ao outro lado. De 2015 a 2022, a Assembleia Geral adotou 140 resoluções anti-Israel e apenas 68 resoluções sobre situações em outras regiões do mundo combinadas.

A UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) está reescrevendo a história e adotando resoluções que negam o direito de Israel a Jerusalém e seus locais sagrados, incluindo o Muro das Lamentações.

O atual Secretário-Geral da ONU, António Guterres, assumiu o cargo em 2017. Como todos os seus antecessores, no início de seu mandato, ele falou do início de uma nova etapa na luta contra o antissemitismo, mas na realidade, ele se mostrou um defensor daqueles que não reconhecem o direito dos judeus a seu próprio estado. Portanto, sua declaração de que o ataque terrorista do Hamas em 7 de outubro “não ocorreu no vácuo” surgiu não no vácuo, e a subsequente crítica a Israel por suas ações militares retaliatórias soa em uníssono com a campanha anti-Israelense e, essencialmente, antissemita que se desenrolou no mundo. Vamos recordar sua recente declaração de que, desde que assumiu o cargo em 2017, ele não observou conflitos com tantas vítimas civis quanto na Faixa de Gaza. Por alguma razão, o Secretário-Geral desconhece que durante seu mandato na ONU, 377.000 civis morreram no Iêmen, 500.000 na Síria, 300.000 em Darfur, 176.000 no Afeganistão, 500.000 na Ucrânia e quase 900.000 no Congo. O que é isso? Incompetência, um ato falho freudiano ou uma mentira deliberada?

De qualquer forma, vamos imaginar que no final da Segunda Guerra Mundial, quando os Aliados se aproximaram das fronteiras da Alemanha, de repente algum António Guterres expressa preocupação com as consequências das ações militares no território do agressor e, em particular, a ausência de eletricidade, água e outros atributos da vida pacífica. A guerra para, e Hitler permanece no poder.

P.S.: O representante de Israel na ONU, Gilad Erdan, pediu a renúncia de Guterres: “Qualquer um entende muito bem o que as palavras de António Guterres significam: que a culpa pelas ações do Hamas recai sobre Israel. Ou, pelo menos, demonstra seu entendimento do ‘contexto’ que levou a esse assassinato em massa. Um Secretário-Geral que não entende que a morte de pessoas inocentes nunca pode ser justificada por qualquer ‘contexto’ não pode ser o Secretário-Geral da ONU.”

1 Dez 2023
2 min read
268
Notícias

Ler mais

Projeto Geula

Projeto Geula

Nicole Weishof, representante do Brasil no projeto Geula, apresentou para toda a comunidade de Curitiba , a sua experiência no projeto Geula , num Kabalat sabat festivo.
Reclamo pelas crianças sequestradas em praça pública

Reclamo pelas crianças sequestradas em praça pública

Participamos do reclamo pelas crianças sequestradas na Praça da Independência em São Paulo.
Conheça nossos embaixadores hebraicos

Conheça nossos embaixadores hebraicos

Nossos embaixadores são professores e palestrantes israelenses apaixonados que compartilham seu amor pela cultura, gastronomia, história e muito mais, através de palestras, oficinas e encontros, seja via Zoom ou pessoalmente.